Indústria farmacêutica descarta novos reajustes nos preços dos medicamentos em 2022

A indústria farmacêutica descarta novos reajustes nos preços dos medicamentos em 2022. No início do mês, a câmara de regulação do setor autorizou um aumento de até 10,89% acima da inflação do ano passado. O índice aplicado depende da faixa do produto, da matéria-prima e até do mercado internacional.

O presidente executivo do sindicato da indústria de produtos farmacêuticos (Sindusfarma), Nelson Mussolini, explica que o cálculo também está ligado a custos como os de energia elétrica. “Este ano, a recomposição chegou a 10,89%. Ela é calculada com base na inflação, IPCA, mais a variação dos índices intrassetores, que nós temos energia elétrica e câmbio. Você sabe que a energia elétrica e câmbio sofreram muito no ano passado, tiveram aumentos muito grandes, e isso impactou o nosso cálculo, que ficou em teto de 10,89%”, comenta.

Nelson Mussolini acrescenta que a indústria nacional era mais autossuficiente até os anos 1990a. O presidente executivo do Sindusfarma destaca que o setor conseguiu atender as demandas da pandemia da Covid-19. “Foi uma guerra que nós enfrentamos. Uma guerra precisa de soldados. Os soldados foram os médicos, foram os enfermeiros, foram os profissionais de saúde, de uma forma geral, o motorista da ambulância, recepcionista de um hospital, do posto de saúde. Esses foram os grandes guerreiros dessa pandemia que nós enfrentamos. Mas quem forneceu o material bélico necessário para vencer qualquer guerra foi a indústria farmacêutica. Tivemos problemas, sem dúvida nenhuma, com a o kit de intubação, e isso foi motivo de várias audiências públicas, para a gente discutir isso. Tivemos esses problemas, o mundo inteiro teve falta desses produtos, e o Brasil não ficou diferente, mas nós conseguimos, sem dúvida nenhuma, ampliando produção, tendo gastos muito maiores. Para você ter uma ideia, o frete de produtos durante a pandemia quintuplicou”, afirma.

Nelson Mussolini cita como exemplo os preços dos contêineres usados para recepção de insumos importados. Enquanto isso, no Congresso Nacional, parlamentares defendem o projeto para reverter o reajuste dos medicamento.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos 

%d blogueiros gostam disto: