Farmacêutica japonesa anuncia efeito antiviral da Ivermectina

O vermífugo ivermectina voltou a virar notícia após a empresa biofarmacêutica japonesa Kowa dizer na última segunda (31/1) que o medicamento antiparasitário mostrou “efeito antiviral” contra a variante ômicron do coronavírus.

Segundo a agência alemã de notícias Reuters, outras variantes também foram analisadas na pesquisa, que não inclui testes clínicos em humanos. Ainda conforme a agência, a Kowa está trabalhando com a Universidade Kitasato, de Tóquio, no Japão, para testar a ivermectina como um tratamento potencial para a covid-19.

O uso do vermífugo contra o coronavírus e suas cepas não é aprovado no Japão, informa a Reuters. Ele também não é autorizado para esse fim nos EUA, na União Europeia e nem pela Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já havia esclarecido em 2020 que a ivermectina não é indicada contra a covid.

Segundo a agência alemã de notícias, a própria Merck, que produz o remédio de referência, já alertou que seu uso como antiviral carece de evidência científica.

No ano passado, surgiu nas redes sociais a informação de que um estudo a Universidade de Oxford, no Reino Unido, teria comprovado a eficácia do vermífugo contra o coronavírus. O próprio presidente Jair Bolsonaro chegou a usar a suposta informação numa live. Porém, isso não é verdade. A pesquisa, que teve uma amostra de apenas 128 pessoas, revelou uma redução de 56% na mortalidade por covid-19, mas que “não houve diferença entre o uso da ivermectina e o tratamento padrão” em pacientes considerados graves.

(Com finromações do UOL e trendsbr.com.br)

Publicidade

%d blogueiros gostam disto: