Tempestade cobriu Campo Grande de areia por 20 minutos (Foto: reprodução da internet)

Tempestade de areia causa estragos em Campo Grande e interior de MS

A tempestade que atingiu boa parte de Mato Grosso do Sul nesta sexta-feira (15) provocou a queda de energia em 4 mil casas e empresas nos municípios atendidos pela Energisa, concessionária responsável pela distribuição. Conforme a companhia, é o maior número de afetados em oito anos. Não foi informado o número de bairros de Campo Grande atingidos. Mas o site Campo Grande News recebeu relatos de falta de energia nos bairros Arnaldo Estêvão de Figueiredo, Amambaí, Guanandi, Jardim dos Estados, Centro, Parati, Bela Vista, Vila Sobrinho, Leblon, Coronel Antonino e Vila Ferroviária.

Segundo a concessioária de energia, a Energisa, foram registradas mais de 4 mil ocorrências sobre falta de energia provocada pelo temporal em Mato Grosso do Sul. Isso equivale a 20 vezes mais ocorrências em comparação com outubro do ano passado, início do último período de chuvas na região. “É uma situação nunca registrada em quase oito anos de concessão em Mato Grosso do Sul”, diz trecho da nota.

Desde quarta-feira (13), 1,1 milhão de descargas elétricas foram registradas. “Destacamos que a Energisa aumentou em seis vezes a quantidade de equipes próprias e terceirizadas que atuam nos trabalhos em toda a concessão, inclusive profissionais de outros estados foram deslocados para ajudar nos trabalhos”, completa a concessionária.

A tempestade de terra cobriu o céu de vermelho e moradores relatam ventos fortes em vários bairros da Capital. Segundo o meteorologista Natálio Abrahão, os ventos variaram entre 55 km/h a 95 km/h. Houve destelhamento de casas, prédios e queda de galhos e granizo. Na região das Moreninhas os ventos chegaram a 65 km/h. Mais de 70 árvores caíram, de acordo com os bombeiros.

Uma árvore de grande porte na Avenida Mato Grosso, próximo ao cruzamento com a Via Parque, caiu na tarde desta sexta-feira (15) sobre um Toyota Corolla que estava estacionado na via. A pista da avenida no sentido bairro-centro foi totalmente interditada. Galhos da árvore também atingiram a residência em frente. O Corolla pertence ao comerciante Carlos Fernando Alves de Souza, que informou à reportagem do Jornal Midiamax que havia acabado de estacionar, por volta das 15h30, quando a árvore caiu.

Árvore atinge carro na Av. Mato Grosso (Foto

No estacionamento de uma loja de materiais de construção, outro carro ficou completamente destruído pela queda de uma imensa árvore. Por sorte não havia ninguem dentro. Na Rodolfo José Pinho, no São Bento, um homem tinha acabado de entrar no carro para fugir da tempestade quando um arvore caiu sobre o veículo, afundando o teto. Ele tambem não se feriu. A Prefeitura de Campo Grande disponibilizou o telefone 156 para a população relatar problemas com árvores caídas.

Carro sob árvore gigante do estacionamento da Alvorada (foto: reprodução redes sociais)

. Em Dourados, o prefeito Alan Guedes declarou emergência. Houve estragos tambem em Nova Andradina.

A TEMPESTADE DE AREIA

A tempestade de areia, acompanhada de um forte vento, cobriu o sol e escureceu a cidade em um tom vermelho. Segundo a empresa MetSul Meteorologia, a temperatura da cidade estava em 33° antes da ventania; com o evento climático, baixou para 18º.

Um fenômeno semelhante já havia ocorrido no estado de São Paulo. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), as tempestades de poeira são causadas por um período seco de estiagem prolongada, baixa cobertura vegetal, temperaturas elevadas e o solo nu na região que já se prepara para o plantio, cujo início se dá na primavera.

A primavera traz as primeiras tempestades. E como não há chuva suficiente nesse período, o fenômeno se torna comum. Quando a chuva chega, os ventos aceleram e formam uma corrente descendente ou frente de rajada. Ao encontrar uma área mais quente, seca e com muita poeira, os ventos formam a nuvem.

(Com informações da Agência Brasil, Campo Grande News e Midiamax)

%d blogueiros gostam disto: