Você que, assim como eu, nasceu nos anos 60, tem mais de cinquenta anos de idade, mas não chegou ainda aos 60, já parou pra pensar que somos a última geração que, de certa forma deu certo e realmente mudou o mundo? Então, sinta-se privilegiado, pois a nossa geração é a que melhor, atualmente, está preparada para enfrentar qualquer adversidade.

Crescemos em meio à ditadura militar sem sermos afetados pelas suas ações, a não ser aquelas que nos davam segurança para brincar na rua sem as preocupações com a violência e a criminalidade que temos hoje. Aprendemos a cantar o hino nacional, estudamos Educação Moral e Cívica e respeitávamos, acima de tudo, nossos pais e professores. Ai de mim se tirasse uma nota menor que 8 no colégio. Meus pais me levavam até lá e, constrangidos, pediam desculpas ao professor pelo meu mau desempenho. Hoje, muitos pais, arrogantes e prepotentes, vão tirar satisfações com os mestres querendo saber por que deram notas baixas ao filho.

A nossa geração, também chamada de “Geração X”, cresceu, passou pela fase hippie, teve ideais, fez pouco caso dos problemas que lhes foram empregados e foi fazer carreira no mercado. Nossa geração viu surgir o computador pessoal, a internet, o celular, o CD e outras tecnologias que dominamos sem o vício e a dependência que os mais novos têm hoje. Grande parte da nossa geração chegou a sua idade adulta com sonhos e descobriu que muito deles, não passaram apenas de sonhos, pois o caminho foi longo e o preço bem alto. Mas nem por isso desanimamos. Fomos à luta, descobrimos novos caminhos e hoje gozamos das benesses de termos errado muito sozinhos mas acertado no final.

Ao contrário de hoje, buscamos a individualidade sem perder a convivência em grupo. Fato é que nossos melhores amigos ainda são os da época do colégio. Muitos de nós acabaram casando com a primeira namorada, respeitando valores familiares e dando importância à formação da família. Tivemos maturidade e soubemos fazer escolhas com inteligência emocional e racional ao mesmo tempo. Conseguimos também romper com as gerações anteriores e seus paradigmas, sem desrespeitá-las, apenas impondo uma nova visão de vida. Aprendemos a lutar pelos nossos direitos e tivemos maior preocupação com as gerações futuras, permitindo que nossos filhos tivessem estudo de boa qualidade, pelo menos quem pode pagar por ele.

Nossa característica principal é que somos muito mais jovens do que nossos pais e avôs foram com a mesma idade e conseguimos acompanhar nossos filhos em tudo. Não nos importamos de andar de bicicleta ou skate com eles, muito menos nos incomodamos de sermos chamados de “vovôs-garotos”. Não temos o mimimi das novas gerações que reclamam de tudo e de todos, acham que dominam o mundo por serem mais novos, mas se esquecem de que conhecemos a fundo a geração deles, as anteriores e as atuais. Não somos da geração Nutella pois na nossa época isso nem existia!

Alguns de nós até tiveram filhos um pouco mais tarde, focados em suas carreiras, e hoje desfrutam muito mais da convivência com sua prole, apoiados no amadurecimento, na experiência de vida, sem a ânsia de viver a qualquer custo, como um jovem em início de carreira.

Também já saímos da faculdade sabendo exatamente o que queríamos da vida, sem nos preocuparmo-nos em seguir a carreira dos nossos pais. Nós fizemos o nosso próprio caminho, pois tínhamos alternativas e nossas escolhas eram mais livres.

De certa forma somos da geração que reinventou a vida adulta e seguimos fazendo apenas as coisas que queremos seja no trabalho, na vida pessoal ou no lazer. Não nos preocupamos mais com rótulos e aparências, mas cuidamos da saúde para ter mais tempo de vida com nossos filhos do que nossos pais tiveram com a gente. Também vivemos a maior parte da vida sem os tribunais do Facebook e Instagram e pudemos apertar o botão do “foda-se” várias vezes, sem sermos julgados publicamente por isso.

Em resumo, somos uma geração FODA! Construímos a vida na base do trabalho e sobrevivemos a tudo: à tinta com chumbo dos nossos berços, à água de torneira não tratada, aos tombos de bicicleta sem capacete, à carne conservada na banha de porco, ao açúcar dos refrigerantes e aos banhos na enxurrada em dias de chuva sem ficar doentes. Pra você que é mais novo, vai uma dica sem modéstia: aprenda com essa geração e você vai se dar bem!