Guacamole: sabor nem tão apreciado assim.

A Seleção Brasileira ainda não mostrou a que veio. Aliás, mostrou que veio para fazer quase nada até agora. A vitória sobre a Croácia nem merece muito entrar para a lista de vitórias da seleção, porque não foi lá grande coisa, contra uma equipe que não é lá um grande time. Além disso, o primeiro gol da Copa ter sido contra e DO BRASIL SIL SIL! não foi lá coisa de se fazer na estréia.

E agora vem esse empate com o México, com sabor de guacamole – meio azedo, meio salgado, meio sem gosto de nada. Pra mim, misturar abacate com tomate, salsinha e limão, é como fazer um frapê de banana com feijão e soja. Gosto de comida mexicana, mas não adoro. Como guacamole, mas não faço questão. Como todo brasileiro, prefiro um bom churrasco.

Meus amigos mais próximos vão rir quando lerem este post porque imaginam que não entendo nada de futebol. E eles estão certos. De futebol não entendo quase nada. Mas entendo quando um time não vai bem. E o Brasil, depois dessa derrota para um time que, historicamente, seria mais fraco que a Croácia, não esta bem mesmo! A gente ganha quando imagina que vai empatar e empata quando pensa que vai arrebentar? No mínimo estranho!

Mas a seleção é sempre assim. Ainda mais jogando em casa. Entraram de salto alto em campo enquanto os mexicanos entraram de sombrero depois da siesta. O problema mesmo foi a seleção Arriba-Arriba não ter marcado primeiro. Se marca, o Brasil corre atrás. Só se mexe quando leva o primeiro tapa. Se não, adormece como foi nessa terça. E o jogo deu sono, heim?

Mas afora as firulas de Neymar (que adoro ver jogando) e os desacertos de Fred (que está mais para Fred Flinstone do que Fred Krugger), quem “merece o motorádio” na partida (se lembram disso?) é o goleiro Guilhermo Ochoa. O cara saltou que nem gato e impediu pelo menos quatro gols dos brasileiros. Foi considerado o melhor jogador em campo pela Fifa e conta com isso para arrumar emprego. E SÉRIO!! O cara tá desempregado e nem sabe o que vai fazer depois da Copa. Ochoa jogava pelo time francês Ajaccio desde 2011 mas o contrato terminou na última temporada antes da copa e, pasmem, ninguém quis contratá-lo. Quem sabe depois dessa atuação alguém se interesse. Quem sabe até algum time brasileiro. Já pensou na ironia?

Bom, depois de ter engolido essa guacamole, meio atravessado, só resta aos brasileiros da seleção se refestelarem com Camarões. Mas também não é uma iguaria fácil de se degustar. Apesar de ser, supostamente, um prato caro e nobre, pode causar mal-estar e indigestão a quem não tem estômago pra esse “lixeiro do mar”.

Como eu! Eu não como camarão. Sou alérgico. E vou torcer para não ter de engolir mais essa!