Declarações desmentidas geram mais suspeita

157 ou 137? Artigos seriam coincidência ou recado?

Mais um dia debruçado sobre o caso do menino de 13 anos que teria matado toda a família e cometido suicídio. E mais um dia em que não me convenço de que foi realmente ele que fez isso. Talvez eu até tenha de engolir depois tudo o que tenho dito aqui, mas não posso me resignar e aceitar o que a polícia esta propondo até o momento. Pode até ter feito! Mas acredito que tenha mais gente por trás disso tudo que o guiou. Inclusive porque vizinhos teriam visto movimentações estranhas na casa na tarde de segunda feira, antes dos corpos serem descobertos.

Hoje vi as fotos da cena do crime: pai deitado de bruços num colchão na sala, mãe deitada sobre os joelhos sobre o mesmo colchão e o menino caído ao lado, deitado de lado. A princípio parece tudo montado, tudo muito estranho. A impresão que dá é que alguém arrumou os corpos para que sugerissem como teriam sido os disparos. Não sou nenhum perito, não tenho nenhuma habilidade nem faro policial, mas a cena me trouxe interrogações. Porque o casal dormia num colchão na sala sendo que havia um quarto pra isso e que não estava em reforma? Estranho!

Na entrevista ao delegado do caso, sem grandes novidades, ele trouxe mais alguns elementos que confirmariam a versão apresentada até agora do “sim, foi o menino”.  Foi dito que ele sabia dirigir bem  – bom, isso foi visto nas imagens das câmeras de vigilância  que o mostram estacionando o carro próximo da escola. E que também sabia atirar, pois o pai o ensinou. Ok, filhos de policiais podem ter essa habilidade. Um colega de escola também teria dito em depoimento: “Ele dizia todo dia que aquele seria o último dia dele na escola, que amanhã não viria mais “.  Mesmo assim, não me convenço.

Há outras coisas estranhas na história como, por exemplo, o comandante da mãe do garoto afirmar e desmentir em menos de 24 horas que ela tinha colaborado com investigações sobre a participação de PMs em roubos de caixas eletrônicos. Também disse e “desdisse” depois que havia estas investigações. Ainda justificou que “se atrapalhou” durante a entrevista dada a uma rádio da capital e que não sabia que estava sendo gravado. Oras, se ele alega que pensava estar numa conversa informal, na minha opinião, então ele teria dito tudo de maneira mais verdadeira, digamos assim. Imagino o que aconteceu: desmentiu tudo porque teria tomado um tremendo puxão de orelhas (pra não dizer uma “carcada”) do comando superior da PM. E se isso aconteceu é porque não deveria ter falado o que disse, ou seja, a verdade. Se a cabo Andréia ajudou a denunciar colegas, essa colaboração pode muito bem ter a ver com isso. Ou estou viajando demais?

Outro detalhe que apuramos hoje também faz referência ao que está riscado no portão da casa e ao que eu disse no meu último artigo. A palavra “Abuso” e o número “157”, como eu escrevi, podem referir-se a artigos dos códigos penais brasileiro e militar que descrevem “roubo” e “violencia contra superior”, consecutivamente. Hoje aventou-se a hipótese de não ser “157” e sim “137” (porque os números estão borrados), cujo artigo refere-se a “RIXA”. Uma produtora que tem contatos  com o pessoal do PCC me confidenciou que descobriu que a Cabo Andréia era linha dura e pegava pesado com suspeitos, do tipo meter o cuturno na boca, pisar na cabeça e outras gentilezas. Seria mesmo uma coincidência ou um recado?

Aguardemos os próximos capítulos dessa história que já desconfortou a cúpula da segurança pública paulista.

9 thoughts on “Declarações desmentidas geram mais suspeita

  • 8 \08\+00:00 agosto \08\+00:00 2013 em 20:45
    Permalink

    O fato de os corpos terem sido achados de bruço com excessao do de Andreia, causa estranheza!

  • 8 \08\+00:00 agosto \08\+00:00 2013 em 21:23
    Permalink

    Tudo aponta na direção do garoto,mas as vezes acho que o delegado não é muito firme em suas convicções… Está cada dia mais confuso esse caso e espero, de coração, que consigam descobrir a verdade e não culpem um inocente pelo ocorrido como forma de proteger algum superior…

  • 8 \08\+00:00 agosto \08\+00:00 2013 em 22:24
    Permalink

    O meu unico comentario eh dizer q eh normal um casal mesmo c/ um quarto sem reforma, coloque o colchao na sala pra deitar……
    EU faco isso c/ meu esposo…..Eh bem aconchegante…Entao isso nao eh estranho

  • 8 \08\+00:00 agosto \08\+00:00 2013 em 23:41
    Permalink

    Ok. Pode até ser o menino mesmo. Mas jamais saberemos. Porquê só acharam a luva no carro no dia posterior a informação de que não havia pólvora? E as roupas com sangue? havia muito sangue no local? se não, usaram luminol nas pias e tanques, ou o menino não se limpou antes de ir para a escola porquê não sangrou? e os dois telefonemas perguntando pelo menino informando que ele não havia ido à escola? será que quem ligou não foram os assassinos querendo confirmar o crime? e não foi muuuita coincidência o melhor amigo descrever exatamente tudo?? que amigo é esse? como só encontraram as outras armas só no dia seguinte?? sinceramente, nossa policia forense deve ser muito ruim para deixar estas coisas básicas.. sinceramente depois deste monte de equívocos da perícia, não vai dar para confiar nos laudos. Calaram a pericia. Vão divulgar o quê for do interesse e não a verdade. E o interesse é culpar o menino. Como disse, ele até pode ser o culpado. Mas nunca saberemos. Alguém já pensou que ele foi obrigado à ir para escola? que montaram a mochila dele? podem ter matado o pai e a avô e tia-avó e ter dito à ele que se ele quisesse salvar a mãe, deveria agir normalmente. Plantavam a cena. Por isso ele pediu para o pai do amigo não buzinar. Sabia que poderiam matar a mãe. E quando ele chegou, mataram ele também. Afinal já haviam limpado tudo e criado a cena. Nunca saberemos.

  • 8 \08\+00:00 agosto \08\+00:00 2013 em 23:41
    Permalink

    Quanto ao cara q primeiro disse q ela havia denunciado policiais e agora nega …. ele pode nao ter tomado as providencias necessarias qdo ela denunciou ….. e agora, como foram procurar documentos para ver quem eram os envolvidos ele ficou numa situacao complicada pq ele nao fez o que prometeu a ela o q faria e o q a lei diz …. se confirma perde o emprego, se nega ninguem acredita

  • 9 \09\+00:00 agosto \09\+00:00 2013 em 01:19
    Permalink

    Não seria:
    Art. 197 – Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça:

    • 9 \09\+00:00 agosto \09\+00:00 2013 em 18:56
      Permalink

      Também faz sentido, mas os “rabiscos” parecem mais 157 ou 137. Avaliamos outros números e não concluímos nada com eles.

  • 9 \09\+00:00 agosto \09\+00:00 2013 em 15:23
    Permalink

    “Porque o casal dormia num colchão na sala sendo que havia um quarto pra isso e que não estava em reforma?” – Quem matou é conhecido e passara a noite na casa da família sobre qualquer suspeita no dia anterior.

  • 19 \19\+00:00 agosto \19\+00:00 2013 em 11:19
    Permalink

    Voce tá “viajando na maionese”. Qualquer policial colabora com denúncias, essa mulher teria que ser o bode expiatório? E porque vingança contra todos, inclusive as tias do garoto? E porque não mataram os investigadores do caso? Aparece um motoqueiro encapuzado, passa por ela na rua e mata, é assim que eles fazem, pra quê toda essa montagem? Não viaja vai, aceita o óbvio, foi o garoto e isso é o fim do mundo, mesmo. Há policiais ruins, mas a policia é um órgao decente (e olha que não sou policial) e em todas as profissões existem corruptos, inclusive entre os evangélicos. Né?

Fechado para comentários.

%d blogueiros gostam disto: