Velho? É sua mãe! Ou melhor, sua avó!

Acabo de completar quarenta e oito anos de idade. Agora só faltam dois para meio século. Achei que demoraria um pouco mais para chegar aqui, mas os anos tem passado mais rápido do que imaginamos. De qualquer forma, isso não me assusta. Chegar aos 48 está sendo mais fácil do que ter chegado aos 18… ou aos 40!

Quando somos adolescentes, não vemos a hora de completar a maioridade. É a credencial que precisamos para entrar em filmes adultos, tirar carteira de motorista, exigir dos pais mais liberdade, etc. Mas ao mesmo tempo vem o receio de ter de encarar certas coisas que amedrontam muitos jovens: o trabalho, as responsabilidades, morar longe dos pais, estudar fora. E a partir daí também podemos ser punidos pelos nossos próprios atos. Enfim, acabam as mamatas e as proteções da lei e familiar. Mas, de qualquer forma, é uma etapa que não vemos a hora de chegar.

Aos chegar aos 40, as coisas mudam bastante. As prioridades são outras, os anseios são outros e temos conosco uma certa “obrigatoriedade” de fazer essa entrada nos “enta” com mais equilíbrio emocional, estabilidade financeira e definição profissional. No meu caso, confesso, foi um pouco mais complicado. Eu vivia um momento delicado da minha vida – saía de um noivado “quase-casamento”, tentava driblar a perda de bens e as dificuldades financeiras causadas por uma falência dos meus negócios e investimentos mal sucedidos, e ainda por cima estava com a moral e a auto-estima abaladas por causa de uma derrota nas eleições quando fui candidato a vereador em Campo Grande/MS. Então, chegar aos 40 desta forma realmente não foi agradável. Mas apesar de tudo tive uma sensação muito boa: a de poder dizer “foda-se!” a essa situação e seguir de cabeça erguida. Fui tomado de uma incrível força que me movia a fazer e dizer coisas, sem me preocupar com o que os outros pensavam a respeito. Foi nessa época que me tornei mais autêntico, mais determinado, mais transparente. O “fuck yourself” era minha filosofia. Quem gostasse de mim, seria pelo que eu era e estava vivendo não pela posição que eu tinha conquistado e perdido. Selecionei mais os amigos e quem não gostasse do que eu pensava ou dizia, “adiós muchacho!”. Foi uma época em que eu ia do céu ao inferno, e vice-versa, mas era dono do meu próprio nariz e opinião.

Agora, quase chegando aos 50, vejo tudo com mais tranquilidade. A maturidade faz isso com a gente. Admito que longe das turbulências vividas dez anos atrás, fica tudo mais fácil. Mas não estou falando de situação financeira. Antigamente eu via muitos amigos e amigas dizerem que tinham medo de chegar aos 50 porque era a porta de entrada da velhice. Discordo plenamente. Inclusive porque segundo as estatísticas reveladas numa reportagem recente da revista Época, a vida começa aos 50. A matéria mostra as diferenças de quem tem 50 hoje e quem tinha 50 há 20, 30 anos. São pessoas completamente diferentes. Os cinquentões de antigamente parecem nossos oitentões de hoje. Eram mais velhos de alma e até fisicamente. Agiam como pessoas mais velhas e eram consideradas assim. Hoje não! Com as pessoas buscando rejuvenescer cada vez mais, as pessoas estão diferentes. Os cinquentões, sessentões e setentões de hoje tem uma vida de mais qualidade, praticam mais exercícios, estão muito melhores fisicamente e com a cabeça de jovens. Não me surpreende mais ver amigos entre 50 e 60 anos andando de skate, praticando escaladas, ciclismo (eu sou um destes) e levando uma vida completamente saudável sem exageros com o álcool, fumo ou qualquer outra droga. E os estudos comprovam: nossa longevidade – a idade média de vida do brasileiro – já está passando dos 75 anos. Ha 20 anos a média era 60!

Por isso digo que está sendo mais fácil chegar aos 50. Mas o importante é envelhecer com saúde. Não adianta ter o dinheiro que for se você não levar uma vida saudável. E hoje em dia a idade não é mais desculpa para a ociosidade. Podemos dizer até que temos duas idades: uma física e outra mental. E enquanto a mental for menor que a física, meus amigos, nesse momento da vida, você estará sabendo viver adequadamente. Melhor ainda se você se olhar no espelho e achar que está melhor hoje do que dez anos atrás!