Senador é como marido traído: o último a saber!

O Senador Demóstenes Torres é amigo de Carlinhos Cachoeira. Ou melhor, ERA! O nobre senador, em depoimento no Conselho de Ética do Senado, afirmou que foi traído por ele. Oras, um senador traído por um contraventor? No mínimo, é estranho! Demóstenes se sente traído porque, disse ele, não sabia das atividades ilegais de Cachoeira. Ah, seu Cachoeira, que papelão não avisar aos amigos o que anda aprontando!

A parte mais curiosa dessa “defesa” de Demóstenes: o nobre senador foi um dos parlamentares que integraram a CPI dos Bingos, em 2004. A CPI foi detonada quando surgiram gravações de Waldomiro Diniz – assessor do então Ministro da Casa Civil de Lula, José Dirceu – extorquindo empresários, inclusive dos bingos, para formar um fundo de campanha para o PT. Quem ordenou o grampo foi ninguém mais que Carlos Augusto Ramos, mais conhecido como Carlinhos Cachoeira. As gravações mostram que ele também estava sendo extorquido por Diniz.

Raciocinem comigo: se Cachoeira já aparecia, oito anos atrás, como empresário de bingo numa CPI em que Demóstenes era integrante, como então o nobre senador não sabia das suas atividades ilegais até fevereiro deste ano? Ah, “ele disse que tinha parado com a contravenção”, afirmou o senador. Minha filha, de 6 meses, teria dado uma das suas gargalhadas se já conseguisse compreender algumas palavras e ouvisse isso.

Demóstenes viajou em avião pago por empresário, sócio de Cachoeira. Usava um rádio Nextel dado pelo contraventor, que ainda pagava a conta das ligações. Permitiu que Carlinhos custeasse parte da festa de formatura da sua filha. Recebeu presentes de casamento dele. E o avisou de uma possível operação da Polícia Federal sobre caças níqueis. Além de relatar ao contraventor um projeto sobre jogos que poderia “pegá-lo”.

É…, o Carlinhos foi mesmo um traidor. Mesmo depois de toda essa ajuda, não contou ao senador que tinha atividades ilícitas? Que pecado! Que Pegadinha do Mallandro o senhor caiu, hein senador?