A placa comum e a obrigatória (embaixo): o dobro do preço

Vem aí mais uma alicatada no bolso do brasileiro. Já não bastasse a carga de impostos que pagamos (uma das mais altas do mundo), o alto preço de serviços como luz, água, telefone, celular e banda larga (também os mais caros do mundo), agora vamos ter de engolir mais uma coisinha: a nova placa refletiva que passa a ser obrigatória a partir de abril. Porque? Fica a questão no ar sem resposta. Ou melhor, reposta o governo tem: “para identificar melhor, mais claramente, os veículos”. Identificar melhor pra que? Será que as placas atuais já não são suficientemente visíveis? Isso me cheira mais uma artimanha da indústria da multa no país.

Antes da nova resolução do Contran ser aprovada no ano passado, era uma escolha dos motoristas: pagar uma taxa de 80 reais pela lacração, usando a placa comum de alumínio pintada cujo preço já estaria incluso no serviço de licenciamento e emplacamento, ou optar pela de alumínio refletiva, que custa 150 reais mais a taxa de lacração (total de R$ 230). A partir de abril teremos de engolir os 230 reais, sem choro, obrigatoriamente! Isso se os fabricantes não aumentarem o preço das placas, já que serão obrigatórias nos veículos zero km, incluindo as motocicletas que terão uma placa maior.

Faz tempo que o governo vem tentando nos morder com a CPMF novamente.  Enquanto não consegue, vai dando beliscões de forma homeopática para que paguemos uma conta cada vez maior. Dessa vez encontrou uma saída no emplacamento de veículos. Como já não bastasse a Inspeção Veicular aqui em São Paulo.

Posso até dar uma sugestão: já que a obrigatoriedade de uma placa mais visível é para identificar melhor os veículos, não sairia mais barato dar óculos de grau e binóculos para os agentes de trânsito? Em qualquer camelódromo sai bem barato… kkkk! Porque, pelo que sei, as câmeras de rua são capazes até de mostrar um pobre mosquito esmagado contra o parabrisa!

Se vai comprar um carro zero km, prepare o bolso: a nova placa passou a ser obrigatória dia primeiro de abril. E isso não foi uma mentira!