Amor incondicional? Agora já sei como é!

Esse é o toque que mais seduz um homem!

Essa semana saí de uma entrevista em frangalhos. Foi sobre uma casal que, um mês depois do nascimento de seu terceiro bebê, uma menina, recebeu a notícia de que ela tinha morrido. Maria Vitória tinha nascido no dia 13 de dezembro, curiosamente um dia antes da Mariah, minha filha. Durante a entrevista não resisti e desabei junto com a mãe, enquanto a gravava remexendo as roupinhas da bebê no quarto que tinha sido decorado para ela. Por trás das câmeras, minhas lágrimas escorriam sem controle na mesma proporção das de Erika, a mãe inconsolável.

Naquele momento eu pensava que isso poderia ter acontecido comigo ou com qualquer outro casal. Afinal o que tirou a vida de Maria Vitória, pouco mais de um mês de vida depois, pode ter sido um problema congênito, misterioso, que se revelou depois do parto.

Ao sair da casa da nossa personagem, ainda comovido e abalado com a situação, peguei o telefone imediatamente e liguei para minha esposa para saber se estava tudo bem com a Mariah. E, como faço diariamente, agradeci a Deus por ter me dado uma criança perfeita, sem problemas e que estará ao meu lado até o fim da minha vida.

São detalhes como esse que me fazem entender hoje o verdadeiro significado do amor incondicional. Aos 26 anos de idade, ainda um jovem mas com a vida bem encaminhada na televisão, me lancei ao desafio de me unir a uma mulher, com a mesma idade que eu, e com duas filhas do seu primeiro casamento. De certa forma virei pai nessa idade pois as tratava (e é assim até hoje, 21 anos depois) como minhas filhas de verdade. Meu amor por elas sempre foi intenso, verdadeiro, sincero, assim como o delas por mim. Mas muitos amigos me falavam que eu só conheceria o verdadeiro amor incondicional quando eu tivesse meus próprios filhos, vindos do meu sangue, frutos de uma relação harmoniosa com alguém que eu amasse. E isso aconteceu recentemente. Mas contesto um pouco o que meus amigos diziam: eu já tinha um amor incondicional pelas minhas enteadas, mas só passei a compreende-lo melhor depois da chegada da Mariah.

Eu confesso que ainda não sei o que define exatamente o que é “amor incondicional” mas posso dar indícios. Quando cheguei em casa depois daquela entrevista, abracei e beijei minha filha como nunca. Quase a sufoquei nos meus braços para sentir de verdade que ela estava ali. E isso aos prantos. Quando a vejo chorar por cólicas (e isso acontece muito pouco), quase me desespero tentando fazer com que aquela dor que a incomoda tanto passe logo. Nas vezes em que fico imóvel, as vezes por mais de uma hora, velando seu sono tranquilo e olhando sua serenidade com pequenos sorrisos que escapam nesse momento, choro de felicidade por ter recebido uma benção tão grande. Sentir uma saudade imensa e vontade de ir embora pra casa depois de um dia de trabalho, é o mínimo que acontece diariamente. Faze-la dormir ou trocar fraldas então, não importa se é de madrugada ou segundos após eu me deitar, é um prazer que vence com folga meu sono e cansaço. Ter a impressão de que sou capaz de matar ou morrer por ela. Se tudo isso resume um pouco do que é o amor incondicional, agora sei o que significa.

Hoje também entendo melhor o que dizem sobre o relacionamento. Por mais repleto de felicidade e complexão que ele seja, aquela pessoa que a gente sempre amou fervorosamente passa para o segundo plano quando nasce um filho. E posso dizer isso abertamente aqui por que eu e minha esposa concordamos com isso. Sabemos que, se por acaso um dia (Deus queira que não) essa relação não der mais certo, uma coisa sobrará intacta: nossa filha Mariah. Ela sim existirá para sempre na vida de cada um de nós, por mais que sigamos rumos diferentes e nos casemos de novo.

Hoje compreendo que amar incondicionalmente é passar por cima de tudo por aquela criaturinha. É sentir um amor tão grande dentro da gente que chega a doer. E até dá medo de perde-lo. É entender que as coisas que fazemos na nossa vida só tem significado se, de uma certa forma, for voltado para ela. Se hoje eu procuro um carro melhor, não é para satisfazer meu próprio desejo mas sim de dar mais conforto e segurança a ela. Se pretendo me mudar para uma casa maior, é por causa dela. Se trabalho incansavelmente é para que ela tenha condições de ter uma vida que eu não tive. E se cuido mais da minha saúde hoje é para nada mais do que pode acompanhar seu crescimento, ve-la se tornar menina, adolescente, mulher e mãe. Perdi meus pais muito cedo e sei bem a falta que eles fazem na vida da gente.

Se tudo isso é amar incondicionalmente, descobri mais um dos poucos sentimentos que ainda faltam para que eu me sinta um ser humano mais completo. E se não descobrir outros, já me darei por satisfeito porque talvez tenha conhecido o maior deles, esse amor incondicional.

41 thoughts on “Amor incondicional? Agora já sei como é!

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 08:24
    Permalink

    olá parabens pelo assunto pois a maioria acham que o amor de pai e menor que oda mae , em muito casos sim , eu sou pai separado e amo muito minha filha faço tudo por ela minha razão , minha vida meu tudo um presente de Deus para esquecer medos e frustações e criar coragem para lutar

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 08:44
    Permalink

    Ogg, parabéns pelo relato. O jornalismo precisa de pessoas sensíveis como você. Por mais que a profissão cobre um certo distanciamento, as melhores histórias sempre serão aquelas em que há emoção por parte do jornalista também.

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 08:55
    Permalink

    Caro Ogg: Li com atenção o seu texto sobre amor incondicional e refleti sobre mim mesmo, pois ainda não sou pai. Espero um dia ter a mesma sensação e felicidade de que você relatou com tanta sinceridade. Acredito que o amor do casal se completa com os filhos e se mantém na fidelidade a Cristo.

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 09:13
    Permalink

    Concordo plenamente com o texto , e digo mais que com o passar do tempo o amor só aumenta.

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 09:19
    Permalink

    Maravilhosa descrição!Perfeita!
    Transmitiu a mais pura essência do que é ter um filho!
    Parabéns!

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 09:19
    Permalink

    Olá;
    Já havia lido o seu blog algumas vezes, mias pelo fato de você ter trabalhado na minha cidade, Florianópolis, mas como você nunca sequer mencionou isso, o deixei de lado, pois gosto daqueles que gostam do que amo, e Florianópolis é a Terra que amo (isso mesmo, para mim, ela é a minha Terra, com tê maiúsculo).
    Vim a esse post, por saber que você seria pai, e pela foto tão delicada da mão de uma menininha, mas ao ler uma frase, fiquei triste e também chocada como ainda se pode pensar isso na segunda década do século XXI.
    ” Mas muitos amigos me falavam que eu só conheceria o verdadeiro amor incondicional quando eu tivesse meus próprios filhos, vindos do meu sangue, frutos de uma relação harmoniosa com alguém que eu amasse. E isso aconteceu recentemente.”
    Como os preconceitos são ditos tão sutilmente… Então só se pode amar verdadeiramente um filho de sangue???
    Tenho pena desses seus “amigos”, são pessoas de coração pequeno, que só conseguem amar filhos biológicos, que capacidade limitada de amar!!! Isso é triste.
    Você como jornalista, e pessoa inteligente que parece ser, pare para pensar alguns instantes, veja se concorda comigo, nem que seja em parte, pois eu vejo que pessoas como seus “amigos” são aquelas que acham que adoção é caridade, e por pessoas como essas é que há tantas crianças sós no Brasil, porque, pelos conceitos dos seus “amigos” uma criança só é amada incondicionalmente por seus genitores.
    Espero que este comentário seja publicado, pois tudo o que digo, é dito com a intenção de gerar reflexão, uma vez eu vi uma campanha publicitária que perguntava: “Aonde você guarda o seu preconceito?” E as pessoas não sabiam o que dizer… Ou eram enfáticas em dizer que não eram preconceituosas, mas são nessas pequenas palavras que se esconde a discriminação, pois, pelo o que você mesmo disse, eles não o consideravam um pai, mesmo que tenha participado da educação de duas pessoas por 21 anos (perdão pela intromissão, você não deixou claro se você mesmo se vê com um papel paterno perante suas enteadas). Não tenho a intenção de ofender ninguém, pois não posso atirar pedras, já que sou muito falha também. Mas, pense, somente pense.

    • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 13:07
      Permalink

      Renata… basta ler de novo. Meu amor pelas minhas enteadas está bastante claro senão não estaria durando tanto tempo. E fico feliz de poder divividir com elas esse amor pela Mariah. Aliás, não existe amor maior ou menor entre elas. Mas como convivo apenas com nossa bebê, a dedicação maior é a ela, claro. As outras estão bem crescidas e também já foram amadas sem condicionantes. Fico feliz por te-las criado porque foi com elas que aprendi amar ainda mais minha filha biológica.

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 09:20
    Permalink

    Me emocionei muito com este artigo…serei mãe pela primeira vez em Agosto, mas já sinto esse amor incondicional. Parabéns pela escrita, muitas bençãos pra vc e sua família!

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 09:40
    Permalink

    Que texto lindo, estou grávida de 7 meses do meu primeiro filho e fiquei muito emocionada com suas palavras de amor incondicional. Não vejo a hora de ter meu bebê nos braços pra poder sentir a mesma emoção que você descreve. Abraços e tudo de bom!

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 09:53
    Permalink

    Achei lindo e emocionante o seu depoimento mas não concordo quando voce fala que somente os laços de sangue é que nos fazem conhecer o amor verdadeiro por um filho.Isso me leva à pensar nos amor dos pais adotivos e posso assegurar a voce com toda certeza que amor por um filho é mais que biológico é espiritua.Tenho um filho biologico e uma adotiva então sei do que estou falando.Amo a minha filha incondicionalmemte,tudo o que senti por meu filho,sinto por ela,amor de pele,de sensações,enfim,completo.Sinto te dizer,amigo,mas se voce sentiu diferença de sentimentos em relação aos filhos de sua esposa,voce não os amou verdadeiramente.Pense nisso,é importante e repito,amor incondicional é por filho,natural ou adotivo,mudam as palavras mas não mudam o sentimento.Beijos e muita saude à sua filhinha.

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 09:55
    Permalink

    Este é um dos textos mais emocionantes que já li – e olha que sou uma leitora voraz. Parabéns!!!

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 09:57
    Permalink

    Sinceramente foi uma das melhores publicações que já li sobre o amor incondicional escrita por um pai. Sou mãe de três filhos que, obviamente, são meus amores incondicionais. Parabéns!

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 09:59
    Permalink

    Nossa amei me emocionei de verdade com a sinceridade o amor incondicional que só de ler cada palavra,letra ou frase nos transmite um sentimento enorme incrível de amar incondicionalmente e querer viver cada vez mais, trás uma paz parece que purifica nossas almas renovando-a ser uma pessoa melhor ponderá as coisas boas da vida nos mostra que viver é muito mais que comer,beber,sofrer,ter indecisões, mais sim amar a si mesmo e ao próximo.

    Não tenho filhas mais se um dia vir virá com muito amor para sem muito amada em vida!!!

    Um grande beijo e um forte abraço a todos que gostam de viver , e amar!

    Gostei muito parabéns,

    Me senti uma mulher renovada e pronta para recomeçar !!!

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 10:24
    Permalink

    Olá Ogg meu nome é Fernanda e fique emocionada com o texto Amor Incondicional.
    Espero um dia sentir um amor assim. Escreva sobre a experiêcia das irmãs da Mariah em terem que lidar com uma bebê (já que a diferença de idade é grande). Desejo toda felicidade, sorte e saúde para você e a sua família. Quem sabe um dia dia você coloca a foto da Mariah fiquei curiosa para ver o rostinho dela.
    E continue escrevendo eu sempre leio os textos.

    Abraços

    Fernanda

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 10:46
    Permalink

    Ogg, parabéns pelo texto, LINDO! me emocionei tanto que até chorei. Obrigada por nos presentear por essa linda mensagem. Concordo com tudo que você escreveu. Um abraço,

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 10:47
    Permalink

    Sou mãe e sintoo mesmo amor que vc esta sentindo. Ele tem 11 anos, mas é como se fosse meu bebe ainda, chega a doer o que sinto por ele. Ate chorei lendo isso.

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 10:50
    Permalink

    MUITO BOM TUDO ISSO, POIS EU ME VI COMO SE FOSSE VOCE, TENHO DUAS PRECIOSAS FILHAS UMA DE 8 ANOS E A OUTRA DE 10 ANOS, DEBORA E BEATRIZ. E PENSAR QUE TEM SER HUMANO QUE JUDIA E MATA NOSSAS CRIANÇAS. UM ABRAÇO E TUDO DE BOM PARA VOCÊ E QUE DEUS TE ILUMINE SEUS DIAS. PARABENS

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 10:51
    Permalink

    Sempre digo que você nunca pode dizer que ama algupem até se tornar pai ou mãe… o que eu sinto por minha filha é o mesmo que você sente pela sua também. Por algumas vezes até achei que amava em excesso, mas depois de ler seu lindo depoimento, vejo que isso é nada mais que amor puro mesmo. Que bom saber que existem pessoas neste mundo tão cruel que amam seus filhos, suas famílias. É um sentimento tão poderoso, fervoroso, intenso que nos faltam até palavras para poder explicar!!! Viva a familia, viva o amor…Viva a Mariah!!! ( e viva a minha Carolzinha também…rsrs)

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 10:58
    Permalink

    Ainda não sou mãe, sou nova e ainda curso a faculdade. Mas só de ler seu texto eu me emocionei muito. Espero num futuro sentir esse sentimento tão profundo e puro.

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 11:10
    Permalink

    Seu relato sobre paternidade, amor incondicional, dedicação, felicidade, gratidão a Deus exprime praticamente tudo que sentimos desde 23/09/11 quando o Artur nasceu! Muitas felicidades e aguenta aí que as raras cólicas praticamente somem entre 3 e 4 meses!

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 11:12
    Permalink

    Lindo!!!Chorei ao ler sua singela e significante prova de amor.

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 11:20
    Permalink

    Nossa… me surpreendi com suas palavras. É a primeira vez que leio seu blog. Amei suas palavras. Já gostava das suas reportagens, tem mais uma fã agora.

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 11:29
    Permalink

    Eu e meu marido pensamos exatamente assim, até na semana passada falamos sobre este amor, e se um dia nos separarmos a Laura seria nosso elo eterno de amor, neste seu post me vi … e quando li a reportagem sobre a morte daquele bebê liguei para minha mãe correndo, para aliviar meu coração. Parabéns exelente materia.
    Rita de Almeida (Mãe da Laura – minha Princesa 10 meses).

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 11:51
    Permalink

    Que texto lindo e emocionante. Estou na 6ª semana de gestação e de repente tudo isso faz sentido para mim, nunca imaginei que as coisas pudessem mudar tão rapidamente… Eu que há 2 semana nem imaginava estar grávida, aliás, ter filhos não estava nos meu planos, agora só consigo imaginar meu bebê quentinho nos meus braços, e não quero mais outra vida.
    Parabéns pelas belas palavras.

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 11:59
    Permalink

    Apenas uma observação: para sentir amor incondicional por um filho, não precisa necessariamente ser biológico, “do próprio sangue”. Esse mesmo amor sinto por meu filho adotivo…

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 12:44
    Permalink

    Meu Deus, fico feliz em saber que outra pessoas também sentem esse amor incondicional! Esse amor que realmente chega a doer, que é tão grande que a gente pensa que não cabe dentro do peito!Um amor eterno, sublime, verdadeiro, puro, desinteressado… Minha filha Maria Clara eu te amo hj, amanha e sempre!Vc é a minha vida, meu tudo, minha maior alegria, o melhor de mim!

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 12:56
    Permalink

    Lindo texto! Fiquei comovida ao ler! e eu nem tenho filhos ainda!
    Parabens por expor seus sentimentos tao abertamente! 🙂

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 13:02
    Permalink

    Nossa que historia mais linda essa que voce dividiu conosco,tao linda que as lagrimas escoreram de meus olhos, no momento em que comecei a ler me lembrei de minha propria vida. Sou casada a quatro anos, hoje tenho 23, casei com uma pessoa muito especial que posso dizer com certeza pra vida inteira, sou muito apaixonada por crianças e tenho um desejo imenso de ser mae, já engravidei duas vezes mas infelizmente nao foi a vontade de Deus. A primeira vez eu sentir uma mulher plena por que finalmente iria realizar meu grande sonho mas aos seis meses ainda em meu ventre descobrir que o meu bebe nao tinha se desenvolvido da maneira que tinha que ser, o segundo depois de fazer tratamentos com apenas cinco meses de gravida eu e meu marido sofremos grave acidente e por força do destino ainda nao pude realizar meu sonho.Ainda hoje sofro e choro baixinho quando estou com meu esposo assistindo algum programa na tv e alguma mae exibe orgulhosa seus filhos. Sei que vou superar essas perdas em minha vida e Deus saberá o tempo certo de me proporcionar essa alegria. Por isso dedico a voce e toda sua familia muita saude pra voces e esse bebe maravilhoso, esse presente que nao tem preço.Tudo de bom! Desculpe os erros de portugues.

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 13:43
    Permalink

    É verdade,o verdadeiro amor é como o rio que nasce de um pequeno riacho e se transforma num grande mar.Você comecou aprender amar esse amor de pai com suas enteadas e quando veio a Mariah ele já estava transformado num mar de sentimentos.Amar de verdade é isso,é chorar pelo filho de quem nem conhecemos ,é sofrer a dor alheia,e só quem tem esse amor no coração tem essa sensibilidade.Choro todos os dias porque nesse mundo de hoje perdemos milhares de filhos a cada instante,tenho a minha comigo Graças a Deus, mas sinto um pedaço de mim se desfazendo quando vejo nos noticiarios tantos pais e mães sofrendo e tantos anjinhos partindo,alguns serenamente,outros cruelmente,mas o amor…quem tem de verdade jamais o perderá.O amor é eterno.

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 13:46
    Permalink

    Ogg,
    Sempre gostei do seu trabalho, e adorei esse post !!!!! Sinto esse Amor todos os dias quando olho para o meu príncipe (Felipe de quase 4 anos), esse amor é tão grande dentro de mim que penso em adoção para compartilhar dele !!!!!
    Deus abençoe sua família, Parabéns !!!!

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 14:21
    Permalink

    O amor que sinto pela minhas filhas não tem como descrever em palavras!! Victória e Beatriz são o que tenho de melhor, de mais precioso.Adorei o seu texto, foi de uma sensibilidade extrema. Infelizmente nem todas as pessoas nasceram para serem pais, quem derá que cada pessoas tivessem essa conciência.. não veriamos tantas crianças abandonadas.. Tenho um irmão adotado que amo tanto, é uma amor tão grande, que tambném é dificil descrev. parabéns pelo seu belissímo texto!!!

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 14:38
    Permalink

    Amei esse comentário, muito lindo mesmo.
    Sentia esse amor pelos meus filhos e agora aumentou mais ainda pois o sinto pelo meu nétinho que tem 1 mes.
    Voce é uma pessoa muito iluminada, por isso escreve palavras tão lindas.
    Um abraço.

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 15:59
    Permalink

    Que lindo!!! Eu que não sou de me emocionar, desde que me tornei mãe sinto a intensidade quando assunto é filho, muito lindo, emocionante. Deus proteja aos pais que perdem seus filhos, é preciso muita força. Abraço!

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 16:13
    Permalink

    Camarada!
    Esse sentimento realmente é único e é o único incondicional mesmo.
    E esse amor só vai crescer, te fazer sofrer, te fazer feliz, te deixar em dúvida quanto às suas decisões, mas vai, acima de tudo, te fazer mais corajoso diante da vida porque agora você sabe que tem uma razão extremamente forte pra continuar a lutar – e não desistir jamais.

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 16:18
    Permalink

    Camarada!
    Esse amor é mesmo único e é o único incondicional.E ele só vai crescer, te fazer feliz, te fazer sofrer, te deixar em dúvida quanto às suas decisões, mas, vai, acima de tudo, te fazer mais corajoso e mais forte diante da vida porque agora você sabe que precisa lutar mais e não desistir nunca. Pode até ser duro, mas é a maior experiência de amor e generosidade que se pode viver.

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 16:35
    Permalink

    Oggi, sempre achei suas reportagens e postura perfeitas, e agora sabendo que seu coação foi roubado pela Mariah, digo que isso só sera igualado quando chegarem os netos. Sempre trabalhei ,mas meus filhos sempre foram minha prioridade, agora quando achava que com os filhos adultos, a vida seria monotona, Deus me presenteou com a Pietra, minha neta, que me deixa com um amor tão grande que parece não caber no peito. Que Deus proteja toda sua familia, curta cada momento, pois todos eles serão especiais.Parabens.

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 16:45
    Permalink

    Concordo em numero genero e grau…Este amor pelos filhos é algo inexplicavel e maravilhoso!!!

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 17:00
    Permalink

    Lindo comentário e concordo plenamente com as palavaras e ainda complemento… Tenho a Bia há 1 ano e 9 meses, e com quase 1 anos, após muitas internações e sofrimentos, descobrimos ( eu e meu marido + família ) que ela tem Fibrose Cística. Resumindo… seu amor acaba sendo maior, e juntamente com o medo de perder, não dá vontande de nos separarmos nem um minuto. A cada dia de sua vida, agradeço a Deus pelo seu sorriso, pelo seu grito “mãe” e por tudo. Todo dia é uma batalha , que agradeço a Deus por conseguir ter forças e armas ( amor e perseverança) para continuar lutando pela sua vida .
    beijos no coração de todos
    Priscila

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 17:59
    Permalink

    Oi Ogg, acompanho seu trabalho a muito tempo, e sei do ótimo profissional que vc é, inclusive fiquei muito feliz quando de vi a nível nacional já que te prestigiava em Campo Grande e fui embora da cidade.
    Adorei esse post, me emocionei com suas palavras tão sinceras descrevendo esse amor incondicional que nós mães conhecemos tão bem. Parabéns pela sua filha, que Deus abençoe sua familia todos os dias. Um abraço…

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 18:37
    Permalink

    Faço minhas as palavras de Barbosa Filho:
    “Ser pai é assumir de Deus o dom da criação, da doação e do amor incondicional. Ser pai é encarnar a divindade na Terra.

    Nós dois fomos agraciados com esta criança maravilhosa, e nada mais podemos fazer, a não ser amá-la com todas as nossas forças….incondicionalmente, afinal, este é o verdadeiro amor que vem de Deus.
    Chorei com suas palavras meu amor.
    Te amamos
    Dé e Mariah

  • 10 \10\+00:00 fevereiro \10\+00:00 2012 em 22:13
    Permalink

    voce é realmente um homem iluminado!

Fechado para comentários.

%d blogueiros gostam disto: