... ou carrinho?
Carrão ou carrinho?

Sábadão!! Acordo e, antes de sair da cama penso: “Bom vou levar o carro pra lavar, depois visitar uma concessionária, uma loja de relógios, comprar umas revistas, uns DVDs e depois fejuca!”. Aí, como se estivesse lendo meu pensamento, a patroa diz: “MEU AMOR,  TEM TRÊS LOJAS DE BEBÊS PRA GENTE IR HOJE!!”.

É… aos poucos vou percebendo que minha vida está mudando e vai mudar ainda mais por causa da bebê que está chegando. E quer saber? Eu to adorando tudo isso! Hoje passo reto pelas vitrines de carros esportivos e relógios mas não deixo de dar uma paradinha para ver aquele vestidinho branco bordado com uma borboletinha lilás ou a última babá eletrônica com vídeo e sensor de movimento que acabou de chegar na loja. Sinto que daqui pra frente, pelos próximos 10 anos, pelo menos, minha rotina será essa: lojas de bebês, depois lojas infantis, depois lojas para pré-adolescentes. Isso sem pensar nas lojas para adolescentes que vem depois.

Uma seguidora no Facebook me disse outro dia: “Se prepara para o novo acessório que vai usar pelos próximos 2 anos: uma bolsa rosa! É isso que você vai carregar pra todo o lado enquanto a mamãe empurra o carrinho!”. Fiquei imaginando que ela está repleta de razão! Mas a bolsa será lilás, e não rosa…rs!

É, a vida muda. De acordo com nossa evolução espiritual, financeira, pessoal e profissional, vamos nos focando em coisas diferentes com o passar do tempo. Antes eu sonhava com um SUV (um camionetão desses que vemos por ai) parado na frente da loja. Mas outro dia eu vibrei mesmo ao gravar um vídeo e mandar pra minha esposa, de uma cadeirinha de bebê que, ligada na tomada, faz seis movimentos diferentes, toca seis tipos de música, balança, chacoalha, rodopia e saltita para que ele possa dormir. INCRÍVEL! Nem a potência e a tecnologia de um SUV top de linha chegam aos pés disso…rs!

Antes eu achava um absurdo pagar 150 reais para duas pessoas numa feijoada. Agora, gasto 450 pilas em cueiros, meinhas e mijões e ainda pergunto pra minha mulher “é só isso que você vai levar?”. Aquela velha máxima que diz que uma mulher pode levar um homem à falência ainda continua valendo. No meu caso, agora duas mulheres! Uma grávida e outra com 50 centímetros que está prestes a vir ao mundo!

Mas confesso, depois de tudo isso – das compras – sentado à mesa de um bar, desfrutando da feijoada, choro de emoção e felicidade por poder proporcionar isso à minha mulher e à minha filha que vem por aí. E não me importam mais os carrões. Meu negócio agora são os carrinhos! De preferência, os que dobram, já vem com moisés e cadeirinha veicular. Mas desde que tenham suporte para mamadeiras e chocalhos! Uau, são o máximo!