Olá amigos novatos que me leem pela primeira vez e os que já me acompanham do blog anterior.

Foi com muita satisfação, e até surpresa, que recebi o convite para estar aqui no Portal R7, um dos que mais crescem no país devido à sua importância e contribuição. Ao criar um blog independente há quase três anos, não imaginei que meus artigos ou pensamentos tivessem muita relevância ou audiência. Mas como todo jornalista persistente, continuei escrevendo. Na verdade, mais para extravasar alguns sentimentos e incômodos  com assuntos que descontentam a maioria dos brasileiros do que querer levar alguém a qualquer reflexão. Mas isso aconteceu e o blog ganhou seguidores e me trouxe até aqui.

Mas quem espera ter de mim informações e notícias do dia-a-dia vai se frustrar. Há gente muito melhor do que eu já fazendo isso. Também não conte com longos debates e análises da situação político-econômica do país ou do mundo pois também isso pode ser encontrado em blogs de colegas que conseguem expressar suas idéias sobre isso muito melhor do que eu. O que você vai encontrar então? Observações!

Eu sempre me considerei um observador da vida que me cerca. Por isso o subtítulo do blog “Um olhar sobre a humanidade”. O meu olhar sobre a humanidade que, por muitas vezes, coincide com o seu. Sou curioso com as situações que encontro no meu dia-a-dia, com o comportamento das pessoas a respeito de algo, com assuntos que nos fazem refletir sobre os “porquês” da humanidade. Como a frase de autor desconhecido – “Não são as respostas que movem o mundo e sim as perguntas” – me sinto como aquele garotinho em desenvolvimento mental, querendo descobrir o porquê disso ou daquilo e assim vou tentando desfiar esse novelo de questionamentos que todos nós fazemos de quase tudo.

Não me considero especialista em nada, não sou filósofo, psicólogo ou qualquer coisa parecida. Sou apenas um observador. Procuro nos meus artigos assumir minha ignorância em relação a muitas coisas e levar as pessoas a também ter a curiosidade de saber porque elas acontecem. Mas não vamos promover debates, discussões, elaborar tratados de comportamento. A idéia é pura e simples: fazer você, leitor, a refletir e perguntar “porque isso acontece?” ou “porque isso tem de acontecer?”. E terei o maior prazer em ver nos seus comentários o que vocês acham de tudo que penso e o que pensam aqueles que retrato aqui. As vezes sou ácido, sarcástico, crítico. Muitas vezes, bem humorado. Enfim, quem vai escrever aqui não é o repórter e apresentador da Record Ogg Ibrahim – o autor dos textos será o Og José Ibrahim, cidadão comum, palmeirense, casado, pai biológico da Mariah, que está pra chegar, e pai de coração da Thaysse e da Thassyane com quem divido sentimentos e aflições há mais de vinte anos.

Espero que gostem. Sejam bem vindos!